AS BALBINAS




A dona Josefina esposa do sr. Candido Gomes da Silva estava grávida, sob risco de vida.  Seu pai “Candinho” levou-a as pressas para o Hospital Dona Balbina, e quem realizou o trabalho de parto foi o Dr. Plinio de Goes  Valeriani.
Dr. Plinio era casado e até então esta data 7 de outubro de 1946, não tinha filhos, e como era muito popular na cidade de Porto Ferreira, amigos de todos sugeriu a dona Josefina que colocasse o nome de “Balbina” no bebê que ia nascer, e para surpresa de todos nasceram duas meninas gêmeas, e aí o Dr. Plinio de Góes Valeriani – (30.11.38/01.02.80) teve prazer duplo, enfim ao invés de uma Balbina tínhamos duas. Tempos depois o Dr. Plinio também realizou o seu desejo de ser pai.
A dona Josefina concordou com a sugestão do Dr. Carlindo, e assim foi... A primeira que nasceu levou o nome de BALBINA MARIA DA SILVA, que foi batizada no dia 8 de outubro de 1946, na Igreja Matriz de São Sebastião, pelo Revmo. Pároco Padre Nestor Cavalcanti Maranhão, filha de: Candido Gomes da Silva e Josefina Tereza de Carvalho, sendo padrinhos: Augusto Pirondi e Alzira Cheffer. A segunda levou o nome de BALBINA APARECIDA, não sei dizer quem foram os padrinhos de batismo da minha cunhada.
Tudo leva crer que o Dr. Plinio era devoto de Santa Balbina, enfim num passado próximo era comum os  pais, padrinhos, avós, colocarem nome de santos e santas em todos aqueles que nasciam, para perpetuar a religião católica, hoje é tudo diferente, basta aparecer alguma pessoa famosa em evidência, tais como artistas de novelas, cantores, cantoras, jogadores de futebol, pronto, lá vão eles registrarem o filho ou filha com nome deles.


Comentários

  1. Conversando com a Balbina Maria sobre este assunto ela disse-me que, na época no Hospital Dona Balbina não tinha "incubadora", e a solução improvisada foi arrumar duas caixas de sapatos(papelão). Isto feito colocaram as duas separadamente, cada uma numa caixa e em volta do pequeno corpinho rechearam de algodão. Balbina Maria pesou 1 k, a Balbina Aparecida pesou 700 gramas. E completar a história, a roupa que a Dona Josefina confeccionou eram grande demais, e a solução foi colocar nelas roupas de bonecas.

    ResponderExcluir
  2. O TEMPO PASSOU E HOJE TEMOS UMA MATERNIDADE EM PORTO FERREIRA!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA BISAVÓ FOI PEGA NO LAÇO?

Obras de Antonio Paim Vieira pertencem ao patrimônio histórico de Porto Ferreira

TRIO UIRAPURU