:: Cerâmica Sacomã - Ipiranga - SP









Caminhando pela Avenida 24 de outubro (Porto Ferreira - SP), no mês de maio de 2006, veio uma lembrança que na década dos anos de 1950/1960 gozando férias escolares, tempos esses que estudava no Grupo Escolar Visconde de Itaúna, tendo como colega de classe entre outros o então menino José Carlos Visconti filho do empresário produtor de panetones.

Eu J. C. Oliveira, os “manos” Rubens e Ademir, o meu tio Brás e tia Deolinda íamos para Porto Ferreira visitar a tia Venância que moravam na Avenida 24 de outubro bem próximo do abandonado "viradouro", dispositivo essencial que servia para manobrar as locomotivas tanto a "Maria Fumaça", como as locomotivas elétricas, que em seguida se engatavam aos vagões e seguiam viagem, retornando tinham como ponto de partida a Estação da Luz - SP.

Dito isso, quero dizer que residindo no bairro de Vila Carioca, o meio de viajar para o interior de São Paulo era bem prático, era embarcar no trem suburbano na estação Vemag (Tamanduateí), descer na Luz, embarcar em outro trem de passageiros e em quatro horas e meia chegávamos à Porto Ferreira, ouvindo o som emitido pelos vagões que estavam passando pelos trilhos. "Café com pão, manteiga não, café com pão, manteiga não”. Bem, essa era a minha impressão!

Falando de telhas francesas, olhei para um velho galpão da Cia. Paulista de Estrada de Ferro totalmente destelhado, segundo informações: o referido galpão vai ser reformado e transformado em um teatro. Aliás, é uma boa ideia, pois aqui não temos nenhum teatro.

Por curiosidade dei uma olhada nas telhas amontoadas e fiquei surpreso, isto porque na telha havia a inscrição (nome) "Antoine Sacoman", datada em 1889, daí em uma associação de pensamentos recordei que existia uma indústria cerâmica, a Cerâmica Sacomã, bem no início da Via Anchieta com a Estrada das Lágrimas.

Cerâmica essa que eu conheci, recordo-me também de que a argila era transportada por carroças, argila essa que era retirada de uma grande jazida que ficava do outro lado da Via Anchieta já indo para a Rua Américo Samarone. Nesta empresa trabalharam tios, tias, primos e também o meu pai Benedicto Osório de Oliveira, revendo documentos acabei achando uma folha da carteira profissional, na qual tem um registro de admissão.

O local que a cerâmica extraía a preciosa argila se transformou em uma lagoa, e não sei por que lhe deram o nome de: "Lagoa Boca da Onça", sendo que muitos jovens com intuito de nadar morreram afogados, como eu não sabia nadar escapei de uma provável tragédia.

Segundo a história, a expressão "feita nas coxas" é originária em razão das telhas produzidas no Brasil serem produzidas nas coxas dos escravos, e que não eram telhas de boa qualidade, eram tortas e de difícil fixação no madeiramento.

Com a vinda do imigrante italiano Américo Samarone e também os irmãos Antoine, Henry e Ernest de Marselhe (França) isso mudou.

Na época o meio de transporte urbano usado era o famoso bonde aberto, depois o bonde camarão, sendo que a maioria dos motorneiros e cobradores era de origem portuguesa. O tempo passou e como passou, os bondes foram desativados, vieram os ônibus e brevemente a linha do Metrô estará interligando todo o complexo de transporte urbano da capital de São Paulo.

Comentários

  1. Nome: Luci
    Email:
    Comentário:
    Zé mto legal faz qualquer pessoa voltar ao passdo, não me lebro do seu pai, mas e toda minha vida ouvi falar mto bem dele....pois seus pais ajudara mto minha mão qdo soltera e meus tios Bene e Antonio, e depois que mus pais se casaram tbem seus pais ajudaram mto....


    Nome: JCOliveira
    Email: tangerynus@gmail.com
    Comentário:
    Você sabe de onde surgiu a expressão fazer alguma coisa "nas coxas"? No Brasil, na época da escravidão, os escravos doentes ou incapacitados para fazer trabalhos pesados, eram encarregados de realizar uma tarefa aparentemente fácil. Cabia-lhes modelar com barro, usando suas coxas, as telhas das casas. O problema é que cada escravo tinha a coxa de tamanho e formato diferentes, razão pela qual as telhas, depois de prontas, ficavam desiguais. Como Conseqüência o telhado depois de montado ficava torto, desalinhado, com aparência de ter sido malfeito. Daí surgiu a expressão "feito nas coxas". Eis a razão de que nos dias atuais quando alguém faz algo sem muito zelo ou sem qualidade, costuma-se dizer que aquilo foi "feito nas coxas".


    Nome: Cleusa Vidal
    Email:
    Comentário:
    Gostei muito de ler esgta história, pois moro no começo da Via Anchieta, perto de onde era a cerâmica e... minha tia é cunhada de um dos filhos do Samaronne. Também nasci na Vila Carioca... pelo jeito esta história... faz parte da minha vida tb. um abraço e parabéns
    Nome: silvana
    Email:
    Comentário:
    Minha casa é em parte coberta por essas telhas feitas à mão, irei para Porto Ferreira o mês que vem, o meu filho tem um amigo Samarone, e mais outras pequenas coincidências deixaram este texto em evidência para mim.


    Nome: Lidia
    Email:
    Comentário:
    Uma telha e pronto: o pensamento voa e nasce a história. Que saudades que tenho do trem da Paulista que tantas vezes me levou até Americana...
    Nome: Osnir
    Email:
    Comentário:
    Porto Ferreira andou frequentando as manchetes de jornais. Infelizmente, por motivos nada agradáveis. Mas, deve ser uma cidade aprazível. Abraços.
    Nome: Miguel
    Email: misagaxa@terra.com.br
    Comentário:
    Lembrar deixa-me lembrar......
    Nome: Nivaldo
    Email:
    Comentário:
    A vida é feita de reencontros. Sobre o viradouro de Porto também o conheci, inclusive o Galpão, perto da Nestlé, e como vc sabe a família Ramos (Salomão e irmãos) também possuia uma Cerâmica em Porto, depois da ponte de ferro sobre o Rio Mogi, onde hoje tem uma vila na qual encontra-se instalado o Cristo Redentor. A do Samarone em Sampa tb conheci quando pequeno, das vezes que por lá passava de ônibus em direção a Vila N.S. das Mercês onde ainda mora um tio meu. Para Porto Ferreira nunca fui de trem, pois o transporte de ônibus pela Viação Danúbio Azul era mais rápido.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA BISAVÓ FOI PEGA NO LAÇO?

TRIO UIRAPURU

UM GALO AMARRADO PELO PÉ!!!