INCÊNDIO NA VILA CARIOCA



Numa certa madrugada chuvosa, eu já estava dormindo, pois eram duas horas da madrugada. Acordei ouvindo vários estrondos pipocando nos ares da Vila Carioca, e com certeza num raio de cinco ou mais quilômetros outras pessoas também ouviram.

Nós moradores deste pequeno bairro, vivíamos apreensivos e sempre com medo, isso porque, sendo um bairro misto, com muitas indústrias de grande porte, armazéns  gerais, onde passa a ferrovia “Santos à Jundiaí,” pequeno comércio e uma grande quantidade de casas de madeira.

O temor geral da população era com referencia a SHEL – Refinaria de Petróleo. Perigo à vista. Com os seus enormes tanques de gasolina espalhados por uma grande área, parecendo mais um amontoado de panelas de pressão, e que se caso acontecesse um incêndio nesta refinaria, imaginávamos que o nosso bairro, parte da cidade de São Caetano do Sul, Ipiranga, Vila Alpina, Vila Prudente, Sacomã, Heliópolis e outros mais desapareceriam do mapa. Mas desta vez, graças a Deus, não era o que estava acontecendo e sim estava pegando fogo numa indústria de engarrafamento de oxigênio/acetileno, cujo nome da firma era Oxigênio do Brasil, que tinha suas instalações na Avenida Presidente Wilson, que ficavam a alguns metros da SHEL - Refinaria de Petróleo.

Devido a um provável curto-circuito originou-se um incêndio de grandes proporções, e a cada instante vários tubos de oxigênio/acetileno que estavam vazios, subiam pelos ares parecendo um bombardeio aéreo em tempos de guerra.

Muitos moradores e nós também  sem saber o que fazer abandonamos as  nossas residências, apenas com trajes de dormir, e constatei o fato de ver senhoras vestidas de camisolas e chinelo de dedo, que corriam apavoradas com os seus filhos entre os braços a procura de um lugar seguro, o lugar seguro em questão era o morro do Heliópolis, e foi um perereco danado.

Um morador que era nosso vizinho de origem nordestino conhecido por “seu Dedé”, juntamente com a sua esposa e os filhos adultos pegaram as crianças menores pelos braços e deram no pé, e por ter muitos filhos acabou esquecendo dois deles na cama, que eram recém-nascidos.

Os gloriosos soldados da água e do fogo (Corpo de bombeiros), chegaram com os seus equipamentos e foram dominando e evitando que o fogo se propagasse pelas indústrias vizinhas. Enfim depois de 1:30 horas, conseguiram apagar o fogo e posteriormente ouvia-se o toque de silencio, anunciando que a missão tinha sido cumprida. Durante um bom tempo o assunto que rolava entre os moradores do bairro era  comentar sobre o incêndio que ouve na Oxigênio do Brasil.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA BISAVÓ FOI PEGA NO LAÇO?

Obras de Antonio Paim Vieira pertencem ao patrimônio histórico de Porto Ferreira

TRIO UIRAPURU