Ipsis litteris




Em 1954 fui matriculado na escola primária "Externato Menino Jesus", Rua Lino Coutinho, não recordo número do prédio, localizava-se entre as ruas Labatut e Brigadeiro Jordão, alguns quarteirões distantes do Grupo Escolar Visconde de Itaúna.

Primeiro dia de aula, não sabia nem pegar no lápis. As carteiras escolares eram inclinadas, abrigavam dois alunos por cadeira, tinha um buraco para colocar um recipiente de tinta (tinteiro) e uma cavidade para colocar lápis e a famosa caneta bico de pena, isso para os alunos de outras séries.

A expectativa do primeiro dia de aula passou, fui ambientando-me com os demais colegas de classe, dias após dias depois a Dona Apolônia Carvalho Cruz, nossa professora, me entregou uma folha de papel almaço em formato quadriculado, e disse-me, escreva nesta folha a lição da cartilha.

Fui aos poucos copiando a lição da cartilha "Caminho Suave", achava engraçado ter que escrever aquelas palavras, era tal de "A pata nada, pata pa..." e assim por diante, enfim, já sabia escrever as vogais, consoantes e os números de 1 a 10.

A classe era mista, ambos os sexos, tinham lá um aluno com problemas de fonologia (gaga), que ao soletrar as lições, não conseguindo, ficava nervosa, sua face robustecera, na época não se falava em fonologia.

Branca Alves de Lima (*1911 - 2001) foi a criadora da cartilha "Caminho Suave", importante obra didática que alfabetizou gerações e gerações de pessoas, eu também suavemente aprendi a ler e a escrever com ela. A nossa professora vivia dizendo, escreva a lição igualmente com letra de forma. Ao ouvir isso me perguntava o que é letra de forma.

O tempo passou, cresci, por um acaso fui trabalhar numa empresa gráfica, onde conheci o que era a tal letra de forma, os caracteres tipográficos. Gostei do serviço e logo aprendi a distribuir os caracteres, acabei fazendo alguns cursos à noite no Senai - Artes Gráficas (Cambuci - SP), isso não pago pela empresa e sim por conta própria. Pra conseguir uma vaga no Senai não eram muito fáceis, devido ao grande interesse que muitas pessoas tinham em aprender, artes gráficas estava no auge e ganhava-se bem comparando com outras profissões.

Fiz curso de compositor manual (tipógrafo-paginador), impressor minervista e linotipista, aliás, linotipia já estava em declínio, mas por que não aprender. Apesar de surgir outro sistema de composição gráfica, o teclado desta máquina tinha semelhança com a máquina de escrever, o que facilitou o aprendizado.

Lendo um jornal, vi um anúncio, "Precisa-se de tipógrafo", logo pensei: a "IPISIS" tem as suas instalações na Rua Lício de Miranda - Vila Carioca - Ipiranga - SP, fica próximo de casa, não custa fazer um teste e quem sabe vou ganhar mais do que ganho na empresa que trabalhava. Enfim, não deu certo o que pensei, fiquei onde estava trabalhando, Tipografia Aurora, empresa vinculada ao "Instituto Monitor Rádio e Televisão".

Mas falando da cartilha, que país é esse, que quando as coisas dão certo resolvem mudar, simplesmente descartam, excluem. Assim é o nosso Brasil.

Ipsis litteris é uma expressão do latim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA BISAVÓ FOI PEGA NO LAÇO?

Obras de Antonio Paim Vieira pertencem ao patrimônio histórico de Porto Ferreira

TRIO UIRAPURU