Manual de caligrafia



“Qui scribi, bis legit” – “Quem escreve, lê duas vezes”

Digitando um texto computador fui procurando outras fontes de tipos de letras, e achei vários tipos de letras manuscritas. (manuscrito, adjetivo. Escrito à mão; singular masculino, aquilo que se escreveu a mão).

Viajando nas ondas dos pensamentos, isto voltando ao passado e recordando a minha infância, me lembrei de que o padrinho Brás, no exercício de sua profissão, que era motorista profissional, precisava anotar todos os dias de trabalho um formulário, no caso anotar entre outros dados também a quilometragem percorrida diariamente. Ele tinha certa dificuldade de preencher o referido formulário, eu já estava no 3.º primário me propus a fazer esse simples trabalho.

Certo dia do ano de 1958, o Brasil ia disputar a última partida da copa do mundo, nos gramados da Europa no dia seguinte, eu e ele nos dirigimos  até o centro de São Paulo, ele viu um anuncio numa livraria que dizia: “Temos para pronta entrega o mais novo Manual de Caligrafia”. E também complementando com outra frase: “Fazendo uso deste Manual de Caligrafia pelo menos meia hora por dia, pode ter certeza que a sua caligrafia vai melhorar muito”.

Ele tinha dificuldade na arte de ler e escrever, e não queria que eu fosse igual, daí o interesse dele em me orientar nessa questão. Dito isso, ele comprou um Manual de Caligrafia.

Chegava em casa de tarde cansado da labuta com um rascunho e eu copiava passando para o formulário, ele me dizia, capricha na letra, e a partir disso passei a gostar de ler e escrever. “Qui scribit, bis legit”. Traduzindo do latim: “Quem escreve, lê duas vezes”.

Gostava tanto de escrever, mas foi por um acaso que entrei numa indústria gráfica, foi onde conheci a famosa letra de forma que tanto falava a minha professora Dona Apolônia Carvalho Cruz quando ditava as aulas. Resumindo aprendi a profissão de tipógrafo-paginador.  Enfim essa lembrança eu nunca vou esquecer, apesar de que hoje em dia pouco se escreve manualmente.

Ao meu tio Brás Osório de Oliveira, tia Deolinda Tangerino, presto esta simples homenagem, e que Deus abençoe onde estiverem, seus sobrinhos:

 Porto Ferreira quantas saudades
J.C.Oliveira (Tangerynus) – Rubens – Ademir – Antônio (Tupãzinho)  – Neuza - Elizabete


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA BISAVÓ FOI PEGA NO LAÇO?

Obras de Antonio Paim Vieira pertencem ao patrimônio histórico de Porto Ferreira

TRIO UIRAPURU