Reino da maracutaia



Diante da atual situação em que se vive em Porto Ferreira, São Paulo - Capital, enfim em nosso Brasil, resolvi fazer uns versos um tanto aleatórios e deu nisso...

I
Fui pra São Paulo,
Visitar e rever familiares,
Ouvi um estouro que baita estalo,
Vi todo mundo trancafiado nos lares.

II
Ia pegar o buzão,
Cheguei a entrar dentro dele,
Ai apareceu um gurizão,
Apontando arma pra ele.

III
O motorista e o cobrador,
Traumatizado falou,
Desce pessoal com muito temor,
E aí a capital de São Paulo parou.

IV
Morre mais gente aqui,
Do que na guerra do Iraque,
No zoológico até fugiu um sagui,
Pra viver em São Paulo só virando Mandraque.

V
Os menestréis também são expurgados,
Razão de ver que outros não enxergam,
Nessa guerra os jornalistas são exterminados, Três macaquinhos que envergam.

VI
Não é só em São Paulo,
A insegurança é em todo Brasil,
Medo, pânico, horror, disparo,
Bala perdida, quantas mortes mais de mil.

VII
A juventude está sendo mal conduzida,
Obedecem ao comando nos celulares,
Que tens medo e são induzidas,
A praticar crimes e atos tão vulgares.

VIII
Vou pegar o buzão,
Táxi, Subúrbio, Metrô,
Eu acho que não,
Vou vortar pro interiô.

IX
Lá também a coisa tá feia
Tem muita gente boa
Mas tem bandido que nos rodeia,
Ai que saudades que eu tenho da garoa.

X
O mau exemplo vem de cima,
Maracutaia - enganação - corrupção,
Demagogia - besterol - propina,
Assim é nosso Brasil nosso rincão.

XI
O dia D vai chegar,
Sistema meia-meia-meia.
A vassoura irá limpar,
O rabo de palha sem brincadeira.

XII
Ao mestre Raul - Viva,
Nunca quis ser prefeito,
Sociedade Alternativa,
Tem algum perfeito.

XIII
Se eu tivesse muito dinheiro,
Pegaria um avião foguete,
Mudava pro estrangeiro,
Livrar-me-ia da turma que faz joguete.

XIV
Nesta história de atentados,
Tem dedo político? Isso tem!
Estamos todos desorientados,
Só peço a Deus que nos orientem.

XV
Assim como morre o índio em sua taba,
O mendigo maltrapilho na calçada,
Crianças esfomeadas,
E a fé no peito das almas escravizadas.
Que Deus nos livre do mau amém...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA BISAVÓ FOI PEGA NO LAÇO?

Obras de Antonio Paim Vieira pertencem ao patrimônio histórico de Porto Ferreira

TRIO UIRAPURU