VOU APOSENTAR MAIS CEDO



Nos anos 50-60 a meninada saia pelas ruas empoeiradas da Vila Carioca pedindo “Boas Festas e Bom Principio de Ano Novo”, eu estava presente.

Quando o dia clareava juntávamos o grupo e, vamos tentar ganhar algumas moedas, e às vezes recebíamos também cédulas de baixo valor. Com a frase na ponta da língua abordávamos pessoas que íamos encontrando pelo caminho e que dava um bom resultado no final do dia.

Neste dia pedimos Boas Festas a um senhor que passava pela R. Albino de Moraes, ele botou a mão no bolso e nos deu várias moedas, distribui uma para cada um, num total de seis, não sabíamos o valor das moedas.

A nossa curiosidade era que nas mãos do tal senhor faltavam-lhe alguns dedos, e perguntamos qual foi a razão da perda dos dedos. Disse ele. Eu sou metalúrgico, estava muito cansado, distraí no serviço, a prensa foi a causadora do fato. O assunto encerrou por aí. Seguimos a nossa colheita, ele dirigiu-se no sentido contrário.

No ano seguinte repetimos a mesma coisa, vamos pedir Boas Festas pelas ruas da Vila Carioca, e não é que encontramos a mesma pessoa, só que desta vez ele estava bem trajado, vestindo terno e gravata, camisa branca e usando um par de sapatos preto. Na época quando alguém se vestia desta maneira diziam a célebre frase: “Êita caboclo bem alinhado”.

Ele enfiou a mão no bolso do paletó foi pegando as moedas e nos deu uma pra cada um, a nossa surpresa foi que faltavam mais dedos do que a primeira vez, isto é, faltavam dedos nas duas mãos.

Perguntamos pra ele, puxa vida outro acidente de trabalho. Ele nos respondeu, não, desta vez fiz de propósito pra aposentar mais cedo. Disse que tinha recebido uma boa quantia do seguro, e já estava aposentado. A nossa curiosidade era tanta que fizemos outra pergunta: “fazer isso compensou, perder definitivamente os dedos por dinheiro”? - “todos nós sabemos que o dinheiro acaba, aliás, não acaba muda do seu bolso para outro e vai ficar aleijado pelo resto da vida”.

Respondeu ele: "A questão é que agora não preciso trabalhar mais em metalúrgica, o meu trabalho é andar por aí vendendo bilhetes de loteria, quem sabe sobra alguma fração ou um bilhete inteiro sendo premiado, mudo pro interior  e vou viver tranquilo".

O tempo passou nunca mais vi tal pessoa, não sei se foi premiado por comprar e vender bilhetes, só sei que ficou aleijado nada mais. A outra questão é, será que ele influenciou outras pessoas a fazerem a mesma coisa? Coincidência ou não no bairro Vila Carioca viveram pessoas  que perderam  parte do dedo...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA BISAVÓ FOI PEGA NO LAÇO?

TRIO UIRAPURU

UM GALO AMARRADO PELO PÉ!!!