Ferro velho do Jardim da Saúde




Meses depois de fazer amizades com toda a vizinhança da Rua Professor Lucas Nogueiras Garcez (Jardim Botucatu - Saúde), restava um, que pelas informações de alguns, era tido como "persona non grata". Enfim, intrigas de vizinhos uns com os outros acontecem em todo lugar.

Mas o que nos aproximou a fazer amizade foi à sanfona. Eu vivia tocando sanfona na garagem de minha casa, isso aos domingos, quando apareciam outras pessoas que também gostavam de tocar. De uma hora para outra, aparecia em casa músicos que tocavam saxofone, violino, pandeiro, violão elétrico, etc.; e em razão disso, o Seu Avelino, um dos moradores mais antigos, me chamou para ir até a casa dele. Ele vivia escutando a nossa tocata, mesmo distante de casa, uns 20 metros distantes.

Queira ou não, quando se fala de alguém, mesmo não tendo certeza de que aquela pessoa é tudo que dizem, a gente fica na retaguarda. Mas, enfim, devido à solicitação, fui até a casa dele para experimentar sua sanfona preta com 120 baixos, que achei um belo instrumento.

Gente cabocla não tem muita cerimônia, logo, entrei na sua casa e ele estava ali sentado, me aguardando. E em cima da mesa tinha um litro de bebida alcoólica, e dentro dela havia um caroço sei lá do que. Perguntei ao Seu Avelino o que era aquilo dentro da garrafa, e ele respondeu que aquilo era uma fruta por nome de "cambuci". Logo associei com o bairro do Cambuci.

Toquei algumas músicas bem antigas e percebi que o Seu Avelino aparentava estar feliz. Ficamos amigos por causa de música, tudo aquilo que diziam dele desmoronou, era pura intriga mesmo.

Desta amizade formada, dias depois fui com ele até o Município de Riacho Grande, 13 quilômetros margeando a Via Anchieta, sentido São Paulo - Santos. Depois, atravessamos de balsa e chegamos a um pequeno vilarejo.

Fiquei sabendo no local que ele era encarregado da mina de caulim do Sr. Zabeu. Um lugarzinho bem pitoresco, tendo lá uma igrejinha, vendinha, campo de futebol. Todos os moradores eram funcionários da mina. Não tinha energia elétrica nas casas, mas tinha um belo fogão de lenha.

O que chamou a atenção era que o seu Avelino estava sempre trocando de automóveis, na maioria, carros importados, dos anos de 1950 para trás. Nesta pequena viajem, lhe perguntei onde ele comprava os veículos. Disse ele:
- Eu compro lá no ferro velho do Jardim da Saúde, e se quiser comprar algum, vamos lá que você sai montado.
- Tudo bem – respondi - Por enquanto não, sem grana pra  comprar carro, não tenho carta de motorista.

Comentou “Seo Avelino”. Hoje, acabei de comprar um caminhão Chevrolet 51 pro meu filho Roberto, ele vai transportar saibro para as obras do Metrô. “Foi uma boa compra, Seu Avelino”, eu pensei, “este caminhão é muito econômico, gasta pouca gasolina”.

O bairro Jardim Clímax e adjacências estavam sendo formados e saibro tinha muito, o Roberto ganhava dinheiro para retirar dos terrenos e ganhava também levando para as obras do Metrô.

Uma das vantagens de comprar veículos no ferro velho do Jardim da Saúde era o fato de vir licenciado, isto no nome do antigo proprietário; e a regra atual já é diferente. Resumindo, anos depois fui lá no ferro velho comprar um Aero Willis 66. E o fato se confirmou: comprei o veículo já licenciado. Enfim, era um jovem aventureiro, resolvi descer até Santos pela estrada velha, na companhia de outros amigos da mesma idade.

Passando a “Represa Billings”, já bem próximo da casa da maioridade, furou um pneu. Com o pé na estrada, depois de alguns quilômetros, chegamos à Praia Grande. Na volta, foi um sufoco. Pifou o gerador, a terceira marcha também pifou. Resumindo, saímos no sábado do Jardim Botucatu, consegui chegar em casa na segunda-feira.

Dias depois, vendi o veículo por qualquer preço; acabei comprado outro veículo. Desta vez comprei um Citroën, de cor preta. O comentário sobre esse veículo era que tinha muita estabilidade, dificilmente capotava. Fiquei com o Citroën por apenas seis meses. Fundiu o motor.

Falando de veículos, lá vou eu de "Busing", com o tio Brás para Porto Ferreira.

Atualmente, no local que estava instalado o enorme ferro velho do Jardim da Saúde, é um aglomerado de prédios...



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA BISAVÓ FOI PEGA NO LAÇO?

Obras de Antonio Paim Vieira pertencem ao patrimônio histórico de Porto Ferreira

TRIO UIRAPURU