INHANA



Poema-homenagem
Luiz Rosa Camargo

            I
Inhana, você foi embora
Deixou um vazio no sertão
Como fazemos agora?
Com tanta dor no coração
Os seus fãs ainda choram
Ficou tão só o violão
            II
Cobriu-se de luto o sertão
Não cantam mais os passarinhos
O sabiá e o azulão
As águas do riozinho
Silenciaram no grotão
Aqui estamos sozinhos.
            III
A sua voz parecia
Vários instrumentos a tocar
A flauta, uma melodia
E o violão a continuar
A harpa respondia
Duetos a entoar.
            IV
Inhana, porque nos deixaste?
Não deixei a ninguém...
Mas Deus a chamaste?!
A todos só fiz o bem
E o Senhor confirmaste
Apenas estou no além.
            V
Ana Eufrozina da Silva Santos
Era seu nome familiar
Que se transformou em encantos
Inhana, Inhana a trinar
Com o Cascatinha no entanto
Em discos sempre irão cantar.
            VI
Cantar através de que?
De suas belas gravações
Índia Fez Pra Você
E Festival de Corações
Vida de Um Dia e Flor do Ipê
Meu Primeiro Amor “lindas canções”.
            VII
Trinta Anos de Rádio, Tu Hás de Sorrir
Coração Magoado, Índia Guarani
Ladrão de Maria, Seu Eu Partir
Se Tu Voltasse e Anhaí
“As belezas ao sorrir”
De Iracema e Guaraçai.

            VIII
Inhana, você fez a união
Do sertão com a cidade
Com purezas no coração
No romance a igualdade
Sempre estendeu as mãos
Hoje você é saudade.
            IX
Falo por todos os fãs
De Cascatinha e Inhana
Unindo almas irmãs
Todas elas se irmanam
Representando as manhãs
Bem alegres ufanam.
            X
Sua voz ressoa em hinos
Lá do lado do infinito
Som melodioso e divino
Muito alegre e bonito
Vibrante igual o sino
Dos horários benditos.


Luiz Rosa Camargo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA BISAVÓ FOI PEGA NO LAÇO?

Obras de Antonio Paim Vieira pertencem ao patrimônio histórico de Porto Ferreira

TRIO UIRAPURU