NESTA VIDA DE SANFONEIRO...



Bodas de ouro

              Nesta vida de sanfoneiro, fui convidado para tocar numa festa de casamento, “bodas de ouro”, cinqüenta  anos de vida matrimonial.
              A família se resumia num total de 16 filhos entre homens e mulheres, sendo eles de origem do interior da Bahia. Só sei dizer que juntando todos os irmãos, e demais descendentes a casa ficou pequena.
              Logicamente que foram preparados vários tipos de iguarias, mas prevaleciam os pratos típicos dos tempos em que moravam no interior da Bahia, e acrescentando outros tipos “miscelânea”, que foram agregados na capital paulista.
              Era só alegria, eu tocando na sanfona e  o velho casal dançando na sala. A família saboreando tudo o que tinha de direito. Pediram-me para ir até a cozinha saborear um leitão assado, mas na verdade era cabeça de bode, e assim foi.
              A conversa rolava sem parar, o pessoal comendo pra caramba, enfim estava ótimo, e gente se lambuzando de tanto comer o leitão. Eu fiz um belo prato, um pouco de tudo, que saciei a minha fome.
              De novo vamos tocar sanfona, agora eles queriam ouvir e dançar musica do “Rei do Baião”, e lá vou eu executando: Asa Branca, Assum Preto etc.
              O filho mais velho pegou uma cabeça de bode no forno, botou dentro de um prato e foi degustando. Metendo o dedo no cérebro, saboreando os miolos, virgem Maria, socando o dedo  também nas orelhas, e depois abriu a boca do bode, e quando vi aquilo, quase boto os bofes pra fora, tinha capim na garganta do bicho.
              Em toda a minha vida, eu nunca tinha presenciado uma cena deste tipo. 

Comentários

  1. 24/04/2013 20:23 - Ana Paula [não autenticado]
    Eu usei para meu trabalho, otimo texto

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA BISAVÓ FOI PEGA NO LAÇO?

Obras de Antonio Paim Vieira pertencem ao patrimônio histórico de Porto Ferreira

TRIO UIRAPURU