JEAN GABRIEL VILLIN, IMORTALIZOU A IMAGEM DO SACI



JEAN GABRIEL VILLIN

Inicia o ano novo,  para muitos as férias já acabaram, para outros não, mas o tempo não volta pra atrás, vai seguindo seu curso normal, enfim o mês de janeiro já vai indo embora.

Dia 1.o confraternização universal, dia 6,  Santo Reis, dia 20 São Sebastião, dia 25 São Paulo, que comemorou 459 anos, e outros dias menos comemorativos. Fevereiro já vai sendo anunciado enfim o reinado de momo se aproxima. Basta ligar a televisão ver e ouvirem  as musicas enredos das escolas de samba, e a beleza da mulher brasileira, ou melhor, a nudez feminina tipo exportação, neste momento já estamos na quaresma.

Na miscelânea televisada  o futebol marca sua presença e não podia ser diferente, pois é, um comércio muito lucrativo, onde todos ganham.

O Campeonato paulista já deu sinal que na sequência dos jogos será empolgante, mas  o que e chamou a atenção é o atleta  do Corinthians Paulista por apelido de saci. O jovem atleta é um nato ciscador, ou melhor, um bom driblador que promete, vamos aguardar.

Dito isso resolvi pesquisar sobre o assunto saci, até lembrei de que meu avô falou certa vez. Dizia ele, que tinha no seu pequeno sitio alguns animais que eram utilizados para puxar arados e afins, e que no dia seguinte eles estavam com as crinas trançadas, era obra de algum saci.

O Saci, ou Saci-pererê, é um personagem bastante conhecido da mitologia brasileira, que teve sua origem entre os indígenas da região de Missões. Inicialmente retratado como um curumim meio endiabrado, não se diferenciava muito das crianças indígenas, com duas pernas e de cor morena, mas possuía um rabo.

No Norte do Brasil, a Mitologia Africana o transformou em um negrinho que perdeu uma perna lutando capoeira, imagem que prevalece nos dias de hoje. Herdou também da Cultura Africana o pito, uma espécie de cachimbo, e da Mitologia Europeia, herdou o píleo, um gorrinho vermelho.

Imortalizado nas histórias contadas à beira das fogueiras nas cidades do interior do Brasil, o Saci ganhou um novo e importante aspecto cultural nos livros de Monteiro Lobato, ilustrado pelo francês Jean Gabriel Villin,  e nas histórias em quadrinhos de Ziraldo, alcançando desta forma, também as crianças da cidade grande. Com a contribuição destes dois escritores o mito do Saci sobrevive à invasão das culturas estrangeiras amplamente divulgadas pela mídia.

É considerado uma figura brincalhona, que se diverte com os animais e pessoas, criando dificuldades domésticas, ou assustando viajantes noturnos com seus assobios. O mito existe pelo menos desde o fim do século 18.
Fonte:Wikipédia.


Jean Gabriel Villin – Francês que viveu muitos anos em Porto Ferreira foi o ilustrador das histórias de Monteiro Lobato, e também o criador do “marco zero – Praça da Sé”, marco zero  do Estado de São Paulo.

Comentários

  1. Nome: Osnir
    Email:
    Comentário:
    S/ o marco zero, tudo bem! Só não entendo o motivo pelo qual as rodovias paulistas iniciar em tese no marco zero. Será que isso tem alguma coisa de útil? Quem teve essa idéia? Eu que moro petro do km 12 da Rod. Anhanguera não gosto desse critério. Ele é mais uma dos coisas que prejudicam o entendimento da cidade. Já, no nosso futebol (até que vem ocorrendo uma partidas boas) tenho outra pergunta. Esta mais séria: os clubes alegam sempre não terem dinheiro para pagar o INSS. Então, como podem pagar 500, 600, 700 mil para técnicos e alguns jogadores? Essa é de entortar a carapaça! Abraços.


    Nome: Etel
    Email:
    Comentário:
    Adorava ler os livros de Monteiro Lobato. nao sabia que quem os ilustrava era um Frances. Interessante saber a historia por traz da historia.
    Nome: Nivaldo
    Email:
    Comentário:
    Jean Garile Vilin, de Porto Ferreira para o ponto zero de São Paulo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

MINHA BISAVÓ FOI PEGA NO LAÇO?

TRIO UIRAPURU

UM GALO AMARRADO PELO PÉ!!!